Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/doi/10.1590/1807-2577.0003
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Family risk as adjunct for organizing the demand for oral health service in the Family Health Strategy

Risco familiar como elemento para organização da demanda em saúde bucal na Estratégia Saúde da Família

Kobayashi, Henri Menezes; Pereira, Antonio Carlos; Meneghim, Marcelo de Castro; Ferreira, Rívea Inês; Ambrosano, Gláucia Maria Bovi

Downloads: 6
Views: 1536

Abstract

Introduction: One of the main problems of the public health services, in which the family oral health team is included, is access by users to dental treatment in primary care, with particular reference to caries disease. Objective: The aim of this study was to evaluate the relationship between family risk, for prioritization of home visits and oral health conditions, with a view to providing evidence about the first indicator for organizing the demand for oral health in the Family Health Strategy (FHS). Method: The application of family health is based on Form A of the primary care information database SIAB (“Sistema de Informação de Atenção Básica”), used for registering families with the FHS. Eleven dentists examined the oral health conditions of 1165 persons (608 from 12 to 19 years; and 557 from 35 to 44 years of age), classifying them into six codes from A to F. Multinomial logistic regression was used (α=0.05) to analyze the association between family risk variables and oral health situation. Result: There was significant association between family risk and presence of caries disease with treatment needs (OR: 2.08, p<0.0001). Conclusion: Persons who have family risk would have twice as much chance of presenting caries disease in comparison with those without risk, corroborating the relevance of this element in organizing the demand for oral health.

Keywords

Primary health care, oral health, risk, family health.

Resumo

Introdução: Um dos principais problemas dos serviços públicos de saúde, em que a equipe de saúde bucal da família está inserida, é o acesso dos usuários ao tratamento odontológico na atenção primária, principalmente no que se refere à doença cárie. Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar a relação entre risco familiar – para priorização de visitas domiciliares – e condições de saúde bucal, visando a prover evidência sobre o primeiro indicador para organização da demanda em saúde bucal, na Estratégia Saúde da Família (ESF). Método: A verificação do risco familiar baseou-se na ficha A do SIAB, utilizada para o cadastramento das famílias na ESF. Onze cirurgiões dentistas examinaram as condições de saúde bucal de 1165 pessoas (608 de 12 a 19 anos e 557 de 35 a 44 anos de idade), classificando-as em seis códigos de A a F. Empregou-se a regressão logística multinomial (α=0,05) para análise da associação entre as variáveis de risco familiar e a situação de saúde bucal. Resultado: Houve associação significativa entre risco familiar e presença da doença cárie com necessidade de tratamento (OR: 2,08; p<0,0001). Conclusão: As pessoas que possuem risco familiar teriam duas vezes mais chance de apresentar a doença cárie em comparação às sem risco, corroborando a relevância deste elemento na organização da demanda em saúde bucal.

Palavras-chave

Atenção primária à saúde, saúde bucal, risco, saúde da família.

References

1. Narvai PC, Frazão P, Roncalli AG, Antunes JL. Cárie dentária no Brasil: declínio, polarização, iniquidade e exclusão social. Rev Panam Salud Publica. 2006 Jun;19(6):385-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892006000600004. PMid:16968593

2. Roncalli AG. Projeto SB Brasil 2010 – pesquisa nacional de saúde bucal revela importante redução da cárie dentária no país. Cad Saude Publica. 2011 Jan;27(1):4-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000100001. PMid:21340099

3. Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2010. Pesquisa nacional de saúde bucal: Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático do programa saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Reorganização das ações de saúde bucal na atenção básica: portaria de incentivos financeiros. Diário Oficial da União. Brasília, 29 dez 2000.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 267, de 06 de março de 2001. Reorganização das ações de saúde bucal na atenção básica: portaria de normas e diretrizes da saúde bucal. Diário Oficial da União. Brasília, 7 mar 2001.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.599, de 09 de julho de 2011. Define valores de financiamento do Piso da Atenção Básica Variável para as Equipes de Saúde da Família, Equipes de Saúde Bucal e aos Agentes Comunitários de Saúde, instituídos pela Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. Brasília, 9 jul 2011.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Cadernos de Atenção Básica, n. 17. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

9. Baldani MH, Antunes JLF. Inequalities in access and utilization of dental services: a cross-sectional study in an area covered by the Family Health Strategy. Cad Saude Publica. 2011; 27(2 Suppl): 272-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011001400014. PMid:21789419

10. Bourget IMMM. Programa saúde da família – saúde bucal – coleção o cotidiano do PSF. São Paulo: Ed. Martinari; 2006.

11. Kobayashi HM, Pereira AC, Meneghim MC, Ambrosano GMB. Accuracy and reproducibility of dental caries risk classification in São Paulo, Brazil. Arq Cent Estud Curso Odontol Univ Fed Minas Gerais. 2012;48(3):125-33.

12. Kobayashi HM, Mialhe FL, Possobon RF, Pereira AC, Meneghim MC, Ambrosano GMB. Proposta de padronização dos critérios de classificação de risco de cárie dentária. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. Ago. 2013 May;25(2):107-14.

13. Coelho FLG, Savassi LCM. Aplicação de escala de risco familiar como instrumento de priorização das visitas domiciliares. RBMFC. 2004; 1(2):19-26.

14. Demidenko E. Sample size and optimal design for logistic regression with binary interaction. Stat Med. 2008 Jan;27(1):36-46. http://dx.doi. org/10.1002/sim.2980. PMid:17634969

15. Assaf AV, Zanin L, Meneghim MC, Pereira AC, Ambrosano GMB. Comparação entre medidas de reprodutibilidade para a calibração em levantamentos epidemiológicos da cárie dentária. Cad Saude Publica. 2006 Sept;22(9):1901-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000900021. PMid:16917587

16. Cheachire LA, Cortellazzi KL, Vazquez FL, Pereira AC, Meneghim MC, Mialhe FL. Associação entre risco social familiar e risco à cárie dentária e doença periodontal em adultos na estratégia de saúde da família. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2013 Jan-Mar;13(1):101-10. http://dx.doi.org/10.4034/PBOCI.2013.131.15.

17. Nascimento FG, Prado TN, Galavote HS, Maciel PA, Lima RC, Maciel EL. Aplicabilidade de uma escala de risco para organização do processo de trabalho com famílias atendidas na Unidade Saúde da Família em Vitória (ES). Cien Saude Colet. 2010 Aug;15(5):2465-72. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000500021. PMid:20802879

18. Levy FM, Matos PES, Tomita NE. Programa de agentes comunitários de saúde: a percepção de usuários e trabalhadores da saúde. Cad Saude Publica. 2004 Jan-Feb;20(1):197-203. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100036. PMid:15029321

19. Saintrain MVL. Proposta de um indicador comunitário em saúde bucal. RBPS. 2007; 20(3):199-204. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2007. p199.

20. Gomes D, Da Ros MA. A etiologia da cárie no estilo de pensamento da ciência odontológica. Cien Saude Colet. 2008 May-Jun;13(3):1081-90. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000300031. PMid:18813602

21. Carnut L, Filgueiras LV, Figueiredo N, Goes PSA. Validação inicial do índice de necessidade de atenção à saúde bucal para as equipes de saúde bucal na estratégia de saúde da família. Cien Saude Colet. 2011 Jul;16(7):3083-91. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800008. PMid:21808896

22. Meneghim MC, Kozlowski FC, Pereira AC, Ambrosano GMB, Meneghim ZMAP. Classificação socioeconômica e sua discussão em relação à prevalência de cárie e fluorose dentária. Cien Saude Colet. 2007 Mar-Apr;12(2):523-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200028. PMid:17680106

23. Baldani MH, Vasconcelos AGG, Antunes JLF. Associação do índice CPO-D com indicadores sócio-econômicos e de provisão de serviços odontológicos no Estado do Paraná, Brasil. Cad Saude Publica. 2004 Jan-Feb;20(1):143-52. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100030. PMid:15029315

24. Barbato PR, Muller Nagano HC, Zanchet FN, Boing AF, Peres MA. Perdas dentárias e fatores sociais, demográficos e de serviços associados em adultos brasileiros: uma análise dos dados do Estudo Epidemiológico Nacional (Projeto SB Brasil 2002-2003). Cad Saude Publica. 2007 Aug;23(8):1803-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000800007. PMid:17653398

25. Brasil. Ministério da Saúde. Relatório final da 3ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Sáude; 2004.

588019d17f8c9d0a098b535c rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections