Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/604a0e6ca9539513441b8d84
Revista de Odontologia da UNESP
Congress Abstract

Avaliação da viscosidade de infiltrantes experimentais e comercial

Juliana Minto BOLDIERI, Priscila Regis PEDREIRA, Flávio Henrique Baggio AGUIAR, Mariana Dias FLOR-RIBEIRO, Giselle Maria MARCHI

Downloads: 0
Views: 34

Resumo

Introdução: As lesões de cárie dentária possuem, como aspecto inicial, manchas brancas, opacas e rugosas. Como tratamento inovador de lesões de mancha brancas, há a infiltração dentária, sendo uma alternativa microinvasiva com a função de barrar a difusão de substâncias para dentro da lesão, interrompendo assim sua progressão. Objetivo: Avaliar a viscosidade de um infiltrante experimental contendo sal de iodônio e quitosana em comparação com o infiltrante comercial Icon. Materiais e métodos: Foram formulados 9 infiltrantes experimentais com a composição base: BisEma (25%), TEGDMA (75%), HEMA (10%), EDAB (1%), Canforoquinona (0,5%). Na formulação foram adicionadas variantes de concentração de quitosana em 0; 0,12; e 0,25% e DFI em 0; 0,5 e 1%. Foi realizado o teste de ângulo de contato (n=5), com a utilização de blocos de esmalte humano planificado como base onde o infiltrante foi gotejado. Para mensurar o ângulo de contato utilizou-se o goniômetro (Ramé hart500f1 Succasunna, NJ, USA) com uma câmera. E cada grupo de infiltrante foi dispensado no esmalte por uma seringa de alta precisão. No total, foram 10 medições por amostra, com um intervalo de tempo de 0,05 s e em torno de 60 frames por segundo. Ao final, as imagens foram analisadas pelo DROPimage Advanced Software (Ramé hart-500f1 Succasunna, NJ, USA) e geraram os resultados. Os dados foram analisados através do anova one way com post hoc de Tukey (α = 0,05). Resultados e discussão: O grupo G9, o qual possui as maiores concentrações de sal de iodônio e quitosana apresentou maior resultado do ângulo de contato, diferindo significativamente dos demais grupos. O grupo que apresentou menor resultado do ângulo de contato foi o G1, o qual não continha quitosana e DFI. Um maior ângulo de contato pode interferir na capacidade de molhabilidade e infiltração dos infiltrantes. Conclusão: Os grupos com maiores concentrações de sal de iodônio e quitosana obtiveram maior viscosidade.

Palavras-chave

Cárie dentária; infiltração dentária; quitosana.
604a0e6ca9539513441b8d84 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections