Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/604a0db0a9539511ff519e43
Revista de Odontologia da UNESP
Congress Abstract

Influência do estresse oxidativo com baixas concentrações de peróxido de hidrogênio nos fatores de virulência de Streptococcus mutans

Julia Biliato JAVARONI, Raquel Souza MARQUES, Elisa Maria Aparecida GIRO

Downloads: 0
Views: 31

Resumo

Introdução: Indivíduos com síndrome de Down apresentam falha no sistema antioxidante que resulta em acúmulo de peróxido de hidrogênio (H2O2) na cavidade oral, e, uma menor prevalência de cárie pode estar relacionada à colonização por Streptococcus mutans (S. mutans) com perfil menos cariogênico nesses indivíduos. Objetivo: Avaliar a influência de baixas concentrações de H2O2 nos fatores de virulência e na suscetibilidade de S. mutans à clorexidina. Material e Método: Para o crescimento do biofilme, lamínulas de vidro estéreis (n=12) foram imersas verticalmente em poços contendo 106 UFC/mL da cepa de S. mutans UA159 em caldo BHI com 1% de sacarose (GC), ou no meio de cultura acrescido de H2O2, nas concentrações de 0,4 mM (GPH 0,4) e 4 mM (GPH 4). Os grupos GC+CLX, GPH 0,4+CLX e GPH 4+CLX foram tratados com diacetato de clorexidina 0,2%. As placas foram incubadas a 37°C com 5% CO2 por 5 dias e o meio de cultura foi trocado a cada 24 horas. A concentração de ácido lático foi avaliada no meio, pelo método enzimático. Os biofilmes foram dispersos em salina 0,9%, diluídos seriadamente e semeados em placas contendo BHI ágar, para a contagem de microrganismos. O restante da dispersão bacteriana foi usado para a dosagem de polissacarídeos extracelulares insolúveis em água, pelo método fenol-ácido sulfúrico. O pH foi aferido diariamente, no meio de cultura. De acordo com a distribuição e homogeneidade de variâncias, os dados foram avaliados pelos testes t ou Mann Whitney (α=0,05). Resultado: Nos grupos GPH 4, GC+CLX, GPH 0,4+CLX e GPH4+CLX não houve crescimento de microrganismos. Os grupos GC e GPH 0,4 não apresentaram diferença significativa para as variáveis estudadas (p≥0,242) e, após o tratamento com clorexidina houve um aumento significativo no pH do meio desses grupos (p≤0,003). Conclusão: Na presença de baixa concentração de H2O2 (0,4 mM), S. mutans não teve os fatores de virulência e a susceptibilidade à clorexidina alterados.

Palavras-chave

Estresse oxidativo; clorexidina; streptococcus mutans.
604a0db0a9539511ff519e43 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections