Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/60492555a953950d7043d2c4
Revista de Odontologia da UNESP
Congress Abstract

Tratamento de fratura bilateral em mandíbula atrófica

Arthur Caetano de ALMEIDA, Luana Soares VASCONCELOS, Larissa Gonçalves Cunha RIOS, Felipe Gomes Gonçalves Peres LIMA, Mirlany Mendes Maciel OLIVEIRA, Darceny ZANETTA-BARBOSA

Downloads: 0
Views: 47

Resumo

Introdução: A transição demográfica que o Brasil vem sofrendo nos últimos anos gerou um aumento progressivo na população idosa. Com uma população de faixa etária mais elevada, os serviços de saúde se preparam para atender as necessidades desse grupo populacional. No campo da odontologia, uma situação recorrente entre os idosos é o edentulismo total ou parcial. Como consequência ocorre à reabsorção óssea, de forma centrifuga em mandíbula, e centrípeta na maxila, sendo um processo crônico, progressivo, irreversível e acumulativo. Uma mandíbula atrófica apresenta deficiência quantitativa óssea, estando sujeita a fraturas mais facilmente. O tratamento de escolha para pacientes com fratura de mandíbula atrófica é o cirúrgico, que objetiva reduzir e imobilizar os segmentos da fratura, de modo a restaurar a estética e a função. Entretanto, o tratamento cirúrgico dessas fraturas, apresenta um grau de dificuldade, devido à quantidade óssea limitada, e muitas vezes, esse grupo populacional possui algum grau de comorbidades associada. Objetivos: Relatar o caso de um paciente do sexo masculino, 60 anos, que procurou o serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Universidade Federal de Uberlândia, vítima de acidente com animal de grande porte, evoluindo com fratura bilateral de corpo de mandíbula atrófica. Conduta Clínica: O tratamento cirúrgico constituiu-se inicialmente por acesso extraoral, simplificação da fratura bilateral com uso de 02 placas retas do sistema 1.5mm e fixação interna rígida das fraturas com 01 placa do tipo load bearing. Resultado: No pós-operatório, paciente evoluiu sem queixas álgicas, referindo apenas parestesia, ocasionada pela fratura, com resultado funcional e estético satisfatórios. Conclusão: O tratamento de fraturas de face constitui um desafio, principalmente na população mais idosa. Desse modo o correto planejamento associado à escolha adequada dos sistemas de fixação, é imprescindível para alcançar um bom resultado.

Palavras-chave

Arcada edêntula; fixação interna de fraturas; cirurgiões bucomaxilofaciais.
60492555a953950d7043d2c4 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections