Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/588018d17f8c9d0a098b4e2f
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Evaluation of the form and the cervical, medium and apical diameter of the main canals and root apex of the maxillary molar - part II

Avaliação da forma e dos diâmetros cervical, médio e apical dos canais principais e dos forames apicais dos molares superiores – Parte II

Levorato, Gustavo Labegalline; Pereira, Elder Ramos; Carnevalli, Breno; Franco de Carvalho, Elaine Manso Oliveira

Downloads: 1
Views: 618

Abstract

The success of the treatment root canal depends, not only, of the well executed technique, but also of a complete knowledge of the internal and external dental anatomy and of the real position of the main foramen in relation to the apex to root canal. The treatment root canal involves different surgical stages and one of the great challenges is to face the internal formats gifts in the different dental groups to obtain the waited success. Therefore, it is opportune to evaluate of root apex of the molar superiors, by means of sweepings with the microscope, as well as the diameter cervical, medium and apical piece of its roots, by means of computerized analysis; what it made possible to conclude that 63.93% of the external opening of the root apex had presented elliptical form. The average of the diameter of root apex of the palatal root was equivalent 0.27 mm, of root apex of the mesiobuccal canal (MB) was 0,18 mm and of root apex of the distobuccal canal (DB) was 0.20 mm. The average diameter of the palatal root canal was of 0.45; 0.35 and 0.25 mm in the cervical, medium and apical piece respectively. MB canal presented average diameter of 0.42; 0.27 and 0.22 mm in the cervical, medium and apical piece respectively, and DB canal presented diameter of 0.32; 0.26 and 0.21 mm in the cervical, medium and apical piece. The form of the canal varied of circulating the elliptical in the root canal.

Keywords

Dental pulp cavity, tooth apex, microscopy

Resumo

O sucesso do tratamento endodôntico depende não apenas da técnica bem executada, mas também de um completo conhecimento da anatomia dentária interna e externa, e da posição do forame principal em relação ao ápice radicular. O tratamento endodôntico envolve diferentes etapas operatórias e um dos grandes desafios é enfrentar os formatos internos presentes nos diferentes grupos dentais para se conseguir o sucesso esperado. Portanto, é oportuno avaliar os três milímetros finais do terço apical das raízes dos molares superiores, por meio de uma varredura com o microscópio operatório, assim como os diâmetros cervical, médio e apical de suas raízes, por meio de análise computadorizada; essa avaliação possibilitou concluir que 63,93% da abertura externa dos forames apicais apresentaram forma elíptica. A média do diâmetro do forame principal da raiz palatina foi 0,27 mm, da raiz mesiovestibular (MV) foi 0,18 mm e da raiz distovestibular (DV), 0,20 mm. O diâmetro médio da raiz palatina foi 0,45, 0,35 e 0,25 mm nos terços cervical, médio e apical, respectivamente. A raiz MV apresentou diâmetro médio de 0,42, 0,27 e 0,22 mm nos terços cervical, médio e apical, respectivamente, e a raiz DV apresentou diâmetros de 0,32, 0,26 e 0,21 mm nos terços cervical, médio e apical. A forma do canal variou de circular a elíptica.

Palavras-chave

Canal radicular, forame apical, microscopia

References





1. Grossman LI. Endodontia prática. Rio1. Grossman LI. Endodontia prática. Rio de Janeiro: Atheneu, 1963.

2. Cohen S, Burns RC. Caminhos da polpa. Rio de Janeiro: Elsevier; 2007.

3. Inojosa IJ. Estudo dos canais radiculares presentes na raiz mésio-vestibular de primeiros molares superiores permanentes (in vitro). Rev Bras Odontol. 1998; 55: 265-8.

4. Milano NF, Werner SM, Kapczinski M. Localização do forame principal: a real localização versus os métodos usuais de condutometria. RGO. 1983; 31: 220-4.

5. Morfis SH. Study of the apical of human permanent teeth with the use of a scanning electron microscope. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1994; 77: 172-6.

6. Portes ML, Oliveira S, Carlik J. Estudo tridimensional da curvatura do canal palatino de molares superiores. Rev Paul Odontol. 2000; 12(2): 32-7.

7. Gutierrez JH, Aguayo P. Apical foraminal openings in human teeth. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1995; 79: 769-77.

8. Machado Jr JA, Pesce HF. Endodontia limite apical: considerações anatômicas, com vistas à determinação do limite apical do tratamento endodôntico. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1990; 44: 23-5.

9. Azeredo RA. Contribuição ao estudo da anatomia do sistema de canais radiculares de caninos inferiores utilizando-se cortes macroscópicos e da diafanização. Rev Assoc Bras Odontol. 2002; 10: 30-6.

10. Estrela C. Ciência endodôntica. São Paulo: Artes Médicas; 2004.

11. Kutler Y. Microscopic investigation of root apexes. J Am Dent Assoc. 1955; 50: 544-52.

12. Moraes SH. Método eletrônico de determinação do comprimento de trabalho. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1988; 42: 359-61.

13. Pasternak Jr B, Soares IJ. Avaliação in vitro de um aparelho audiométrico na localização do forame apical. Rev Bras Odontol. 2002; 59: 256-8.

14. Teixeira LL. Avaliação clínica de dois localizadores apicais eletrônicos de terceira geração. RPG. Rev Pós-Grad. 1995; 2: 204-9.

15. Vier FV, Tochetto FF, Orlandin LI, Xavier LL, Michelon S, Barletta FB. Avaliação in vitro do diâmetro anatômico de canais radiculares de molares humanos, segundo a influência da idade. J Bras Endod. 2004; 5(16): 52-60.

16. Ribeiro AF. Avaliação in vitro do transporte do forame apical, durante o preparo biomecânico dos canais radiculares, através da análise morfométrica computadorizada. Rev Bras Odontol. 1998; 55: 327-31.de Janeiro: Atheneu, 1963. 2. Cohen S, Burns RC. Caminhos da polpa. Rio de Janeiro: Elsevier; 2007. 3. Inojosa IJ. Estudo dos canais radiculares presentes na raiz mésio-vestibular de primeiros molares superiores permanentes (in vitro). Rev Bras Odontol. 1998; 55: 265-8. 4. Milano NF, Werner SM, Kapczinski M. Localização do forame principal: a real localização versus os métodos usuais de condutometria. RGO. 1983; 31: 220-4. 5. Morfis SH. Study of the apical of human permanent teeth with the use of a scanning electron microscope. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1994; 77: 172-6. 6. Portes ML, Oliveira S, Carlik J. Estudo tridimensional da curvatura do canal palatino de molares superiores. Rev Paul Odontol. 2000; 12(2): 32-7. 7. Gutierrez JH, Aguayo P. Apical foraminal openings in human teeth. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1995; 79: 769-77. 8. Machado Jr JA, Pesce HF. Endodontia limite apical: considerações anatômicas, com vistas à determinação do limite apical do tratamento endodôntico. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1990; 44: 23-5. 9. Azeredo RA. Contribuição ao estudo da anatomia do sistema de canais radiculares de caninos inferiores utilizando-se cortes macroscópicos e da diafanização. Rev Assoc Bras Odontol. 2002; 10: 30-6. 10. Estrela C. Ciência endodôntica. São Paulo: Artes Médicas; 2004. 11. Kutler Y. Microscopic investigation of root apexes. J Am Dent Assoc. 1955; 50: 544-52. 12. Moraes SH. Método eletrônico de determinação do comprimento de trabalho. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1988; 42: 359-61. 13. Pasternak Jr B, Soares IJ. Avaliação in vitro de um aparelho audiométrico na localização do forame apical. Rev Bras Odontol. 2002; 59: 256-8. 14. Teixeira LL. Avaliação clínica de dois localizadores apicais eletrônicos de terceira geração. RPG. Rev Pós-Grad. 1995; 2: 204-9. 15. Vier FV, Tochetto FF, Orlandin LI, Xavier LL, Michelon S, Barletta FB. Avaliação in vitro do diâmetro anatômico de canais radiculares de molares humanos, segundo a influência da idade. J Bras Endod. 2004; 5(16): 52-60. 16. Ribeiro AF. Avaliação in vitro do transporte do forame apical, durante o preparo biomecânico dos canais radiculares, através da análise morfométrica computadorizada. Rev Bras Odontol. 1998; 55: 327-31.
588018d17f8c9d0a098b4e2f rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections