Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/588018ae7f8c9d0a098b4d79
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Dental caries in children under five years old in Teresina - PI

Cárie dentária em crianças menores de cinco anos na cidade de Teresina - PI

Moura, Marcoeli Silva de; Moura, Lúcia de Fátima Almeida de Deus; Mendes, Regina Ferraz

Downloads: 3
Views: 573

Abstract

The aim of this study to assess the prevalence and severity of dental caries and its biological determinants in children under five years old in Teresina(PI) metropolitan area (PI). The study was designed as cross-sectional or a prevalence study. The sample consisted of 1,536 children of both genders, who were born in Teresina (PI), ranging from 5 to 60 months of age and who took part in a multivaccination campaign on 10 June 2006. A questionnaire was answered by the adult accompanying the child and a clinical examination of the children’s oral cavity was carried out. The questionnaire was designed to collect information on the knowledge of the parent or caretaker about the children’s oral health status, their daily consumption of sugary foods, night breast feeding length of time, when oral hygiene started and number of daily tooth-brushing. The children were examined at the premises of the vaccination centers in the knee-to-knee position, under natural lighting. It was found that 1,157 (75.32%) children were caries-free. There was no difference in the prevalence or severity of the disease between genders. The prevalence of caries ranged from 0% in children under one year old to 52% in the five year old ones; and severity, which was measured by dmf-t index, ranged from 0 in the less than one year old, to 2.13 on the five years old. There was no statistical difference between children with and without signs of the disease regarding night breast feeding length of time, sucrose consumption, number of daily tooth-brushing or when oral hygiene started. It is necessary that the data of this study are used as reference for the implementation of educational programs targeting this age group.

Keywords

Dental caries, primary dentition, epidemiology, oral health surveys

Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar a prevalência, severidade da cárie dentária e seus determinantes biológicos em crianças piauienses naturais de Teresina (PI), menores de cinco anos. Delineado como transversal ou de prevalência constituído por 1.536 crianças, de ambos os gêneros, na faixa etária de 5 a 60 meses e que buscaram multivacinação no dia 10 de junho de 2006. Foi aplicado questionário ao responsável e realizado exame clínico da cavidade bucal das crianças. O questionário continha informações relativas ao conhecimento dos pais ou responsáveis sobre a situação de saúde bucal das crianças, consumo diário de alimentos açucarados, tempo de amamentação noturna, inicio da higiene bucal e número de escovações diárias. As crianças foram examinadas nas dependências dos centros de vacinação, na posição joelho a joelho, sob luz natural. Observou-se que 1.157 (75,32%) crianças não apresentaram cárie dentária. Não houve diferença entre os gêneros com relação à prevalência ou severidade da doença. A prevalência de cárie variou de 0% em crianças menores de um ano a 52% nas de cinco anos, e a severidade, medida pelo índice ceo-d variou de 0 em menores de um ano a 2,13 dentes acometidos pela doença aos cinco anos. Não se observou diferença estatisticamente significante entre os grupos com e sem manifestação da doença quando analisados tempo de amamentação noturna, consumo de sacarose, número de escovações diárias e início da escovação. É necessário que os dados do presente estudo sirvam como referencia para a implementação de programas educativas destinados à essa faixa etária.

Palavras-chave

Cárie dentária, dentição decídua, epidemiologia, levantamentos de saúde bucal

References



1. Brasil. Ministério da Saúde. A política nacional de saúde bucal no Brasil: registro de uma conquista histórica. Brasília; 2006.

2. Spolidorio DMP, Hofling JF, Moreira D, Rodrigues JAO, Boriollo MFG, Rosa EAR. Dental caries status in decíduos and permanent dentition of Brazilian children aged 6-8 years with a sócio-economic base. Braz J Oral Sci. 2003; 2: 147-50.

3. Lucas SD, Portela MC, Mendonça LL. Variações no nível de cárie dentária entre crianças de 5 e 12 anos em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005; 21: 55-63.

4. Moura LFAD, Moura MS, Toledo OA. Cárie dentária em crianças que freqüentaram um programa odontológico de atenção materno‑infantil. J Appl Oral Sci. 2006; 14: 53-60.

5. Antunes JLF, Peres MA, Mello TRC. Determinantes individuais e contextuais da necessidade de tratamento odontológico na dentição decídua no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2006; 11(1): 79-87.

6. Moura MS, Silva JS, Simplício AHM, Cury JA. Avaliação longitudinal da fluoretação da água de abastecimento público de Teresina-PI. Rev Odonto Ciência. 2005; 20: 132-6.

7. Silva JS, Val CM, Costa JN, Moura MS, Silva TAE, Sampaio FC. Heterocontrole da fluoretação das águas em três cidades no Piauí, Brasil. Cad Saúde Pública 2007; 23: 1083-8.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

9. Narvai PC, Frazão P, Roncalli AG, Antunes, JLF. Cárie dentária no Brasil: declínio, iniqüidade e exclusão social. Rev Panam Salud Publica. 2006; 19: 385-93.

10. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). 2008. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1455&id_pagina=1

11. Li Y, Wang W. Predicting caries in permanent teeth from caries in primary teeth: an eight-year cohort study. J Dent Res. 2002; 81: 561-6.

12. Skeie MS, Raadal M, Strand GV, Espelid I. The relationship between caries in the primary dentition at 5 years of age and permanent dentition at 10 years of age – a longitudinal study. Int J Paediatr Dent. 2006; 16: 152-60.

13. Alaluusua S, Renkonen OV. Streptococcusmutans establishement and dental caries experience in children from 2 to 4 years old. Scand J Dent Res. 1983; 91: 453-7.

14. World Health Oral health surveys: basic methods. 4th. Genebra: WHO; 1997.

15. Mello TRC, Antunes JLF. Prevalência de cárie dentária em escolares da região rural de Itapetininga, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2004; 20: 829-35.

16. Sousa Filho MD, Araújo RSRM, Araújo MAM, Moura MS. Dieta e cárie em pré-escolares na faixa etária de 36 a 68 meses. Nutrire. 2006; 31: 47-60.

17. Cortelazzi KL, Tagliaferro EPS, Assaf AV, Tafner APMF, Ambrosano GMB, Bittar TO, et al. Influência de variáveis socioeconômicas, clínicas e demográfica na experiência de cárie dentária em pré-escolares de Piracicaba-SP. Rev Bras Epidemiol. 2009; 12: 490-500.

18. Gradella CMF, Oliveira LB, Ardenghi TM, Bonecker M. Epidemiologia da cárie dentária em crianças de 5 a 59 meses de idade no município de Macapá, AP. RGO. 2007; 55: 329-34.

19. Cypriano S, Sousa MLR, Rihs IB, Wada RS. Saúde bucal dos pré-escolares, Piracicaba, Brasil, 1999. Rev Saúde Pública. 2003; 37: 247-53.

20. Maciel SSVV, Oliveira RLCC, Fernandes ACA, Steinhauer HC, Torres MJS, Freire MNB, et al. Prevalência da Cárie Precoce na Infância em Crianças de 6 a 36 Meses. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, 2007; 7(1): 59-65.

21. FDI (Fédération Dentaire Internationale)/WHO (World Health Organization), 1982. Global goals for oral healthy by the year 2000. Int Dent J. 1982; 32: 74-7.

22. Leite ICG, Ribeiro RA. Cárie dentária na dentição decídua de crianças assistidas em algumas creches públicas de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2000; 16: 717-22.

23. Barros SG, Alves AC, Pugliese LS, Reis SRA. Contribuição ao estudo da cárie dentária em crianças de 0-30 meses. Pesqui Odontol Bras. 2001; 5: 215-22.

24. Davidoff DCO, Abdo RCC, Silva SMB. Prevalência de cárie precoce da infância. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2005; 5: 215-21.

25. Feitosa S, Colares V. Prevalência da carie dentaria em pré-escolares da rede publica de Recife, Pernambuco, Brasil, aos quatro anos de idade. Cad Saúde Pública. 2004; 20: 604-9.

26. Bordon AKCB, Bussadori SK, Arsati YBO, Imparato JCP. Levantamento epidemiológico da cárie dentária em crianças de Santa Fé do Sul. RGO. 2004; 52: 256-60.

27. Couto GBL, Vasconcelos MMVB, Melo MMDC, Camelo CAC, Valença PAM. Prevalência da cárie, mancha branca e placa visível em crianças de 0 a 36 meses, assistidas pelo Programa de Saúde da Família na Cidade de Camaragibe – PE. Odontol Clín.-Científ. 2005; 4(1): 19-28.

28. Bowen WH. Response to Seow: biological mechanisms of early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol. 1998; 26: 28-31.

29. Horowitz HS. Research issues in early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol. 1998; 26: 67-81.

30. Ditterich RG, Romanelli MV, Rastelli MC, Wambier DS. Cárie de acometimento precoce: uma revisão. Publ UEPG Ci Biol Saúde. 2004; 10(3/4): 33-41.

31. Ribeiro AG, Oliveira AF, Rosenblat A. Cárie precoce na infância:prevalência de fatores de risco em pré-escolares, aos 48 meses, na cidade de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005; 21: 1695-700.

32. Carvalho FS, Carvalho CAP, Bastos RS, Xavier A, Merlini SP, Bastos JRM. Dental caries experience in preschool children of Bauru, SP, Brazil. Braz Oral Sci. 2009; 8: 97-100.
588018ae7f8c9d0a098b4d79 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections