Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/588018937f8c9d0a098b4cec
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Exposição ocupacional ao ruído em odontólogos do Paraná: percepções e efeitos auditivos

Occupational exposition to noise in dentists of State Paraná: perception and effects onhearing

GONÇALVES, Cláudia Giglio de Oliveira Gonçalves; LACERDA, Adriana Bender Moreira Lacerda; RIBAS, Angela Ribas; OLIVA, Flávia Cardoso Oliva; ALMEIDA, Suzanne Bettega Almeida; MARQUES, Jair Mendes Marques

Downloads: 4
Views: 724

Resumo

Introdução: Níveis de pressão sonora intensos podem ser encontrados no ambiente de trabalho do odontólogo devido aos equipamentos utilizados. Esses níveis podem representar um risco à sua saúde. Objetivo: examinar os prováveis efeitos da exposição ocupacional ao ruído na audição de odontólogos, a percepção e o conhecimento dos mesmos acerca dos malefícios da exposição ao ruído e das possibilidades de prevenção. Método: trata-se de um estudo transversal (ou seccional), que avaliou a audição de 219 odontólogos (56,44% mulheres e 43,55% homens); estes também responderam a um questionário para coletar dados relativos à exposição ocupacional ao ruído. Resultado: prevalência de alterações auditivas de 32,51% nos 163 odontólogos incluídos na pesquisa; a ocorrência de alterações auditivas aumentou com a idade e os anos de serviço; com os anos de serviço, aumenta a jornada de trabalho, influenciando na audição; o ruído no trabalho foi percebido como médio (49,07%); 96,9% conhecem os efeitos do ruído e 3,06% usam protetores auriculares. Concluiu-se que os odontólogos deste estudo apresentam alterações auditivas sugestivas de terem sido induzidas por ruído (razão de prevalência = 1,79 95% IC 0,09-4,44), quando a jornada de trabalho for igual ou superior a oito horas.

Palavras-chave

Efeitos do ruído, doenças ocupacionais, perda auditiva provocada por ruído.

Abstract

Introduction: intense sound pressure levels are found in the work environment of dentists, because of the equipment used. Such levels can represent a health risk. Aim: to examine the effects of occupational noise exposure on dentists’ hearing, the beliefs and knowledge they have on noise exposure effects and preventive measures. Method: in this transversal (or crosssectional) study 163 dentists (56.44 % female and 43.55% males) underwent hearing testing and an interview. Result: the prevalence of hearing loss among participants was of 32.51%; as age and duration of exposure (in years) increased there was an increase in hearing loss; as duration of exposure (in years) increased, the length of their work shift also increased; noise in the workplace was perceived as moderate by 49.07 % of the participants; 96.9% of the participants knew the effects of noise and 3.06% use hearing protector devices. We concluded that dentists in this study have hearing loss suggested by noise-induced (prevalence ratio = 1.79 95% CI 0.09-4.44). The highest prevalence of hearing loss was associated to work shift equal or longer than 8 hours.

Keywords

Effects of noise, occupational diseases, noise induced hearing loss (NIHL)

References



1. Daniell WE. Occupational hearing loss in Washington State 1984-1991: morbidity and associated costs. Am J Ind Med. 1998;33:529-36.

2. Nogueira DP. Riscos ocupacionais de dentistas e sua prevenção. Rev Bras Saúde Ocupacional. 1983;41(11): 14-6.

3. Costa EGC. Ergonomia – prevenção dos riscos ocupacionais em Odontologia. Jornal do Dentista. 1986;48(3): 48-51.

4. Saquy PC. Intensidade de ruído produzido pelas canetas de alta-rotação. RGO. 1994;42:131-3.

5. Saquy PC. A ergonomia e as doenças ocupacionais do cirurgião dentista. Parte I- Introdução e agentes físicos. ROBRAC: Rev Odontol Brasil Central. 1996; 6(19): 25-8

6. Santana KD. PAIR em dentistas: atuação odontológica e sua relação com a perda auditiva induzida pelo ruído. Revista Fono Atual. 2000;13:8-21.

7. Gijbels F, Jacobs R, Princen K, Nackaerts O, Debruyne F. Potential occupational health problems for dentist in Flandres. Clin Oral Invest. 2006;10:8-16.

8. Altinöz HC, Gökbudak R, Bayraktar A, Belli S. A pilot study of mesurement of the frequency of sounds emitted by higt-speed dental air turbines. J Oral Sci. 2001;43:189-92.

9. Hyson JR. The air turbine and hearing loss- Are dentist at risk? J Am Dent Assoc. 2002;133:1639-42.

10. Mota SSR. Limiares Auditivos de cirurgiões-dentistas nas freqüências 250 a 16.000Hz. In: Morata TC, Zucki F, organizadores. Caminhos para a saúde auditiva: ambiental - ocupacional. São Paulo: Plexus; 2005. p. 83-94.

11. Fernandes JCS, Carvalho APO, Gallas M, Vaz P, Matos A. Noise levels in dental schools. Eur J Dent Educ. 2000;10:32-7.

12. Bali N, Acharya S, Anup N. An assessment of the effec of sound produced in a dental clinic on the hearing of dentist. Oral Health Prev Dent. 2007;5:187-91.

13. Brusis T, Hilger R, Niggeloh R, Huedepohl J, Thiesen KW. Are professional dental health care workers (dentists, dental technicians, assistants) in danger of noise induced hearing loss? Laryngorhinootologie. 2008;87:335-40.

14. Souza HMMR. Análise experimental dos níveis de ruído produzido por peça de mão de alta rotação em consultórios odontológicos: possibilidade de humanização do posto de trabalho do cirurgião dentista [tese doutorado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz; 1998.

15. Berro RJ, Nerm K. Avaliação dos ruídos em alta freqüência dos aparelhos odontológicos. Revista CEFAC. 2004;6:300-5.

16. Johansson R, Lehto TU, Laukkanen ET, Aitasalo KJ, Pietila TJ, Helenius HY. Hearing of dentists in the long run: a 15-year follow-up study. Community Dent Oral Epidemiol. 1989;17:207-11.

17. Ruschel CV. Perda auditiva induzida pelo ruído em cirurgiões- dentistas. Rev Bras Odontol. 2005;62(1/2): 25-7.

18. Lacerda A, Melo SCS, Mezzadri SD, Zonta, WG. Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica. Tuiuti Ciência e Cultura. 2002;26(3):17-24.

19. Baraldi GS, Almeida LC, Borges ACC. Evolução da perda auditiva no decorrer do envelhecimento. Rev Bras Otorrinolaringol. 2007;73(1):64-70.

20. Toppila E, Pyykko I, Starck J. Age and noise-induced hearing loss. Scand Audiol. 2001;30:236-44.

21. Ferrite S, Santana V. Joint effects of smoking, noise exposure and age on hearing loss. Occup Med. 2005;55: 48-53.

22. Brant LJ, Fozard JL. Age changes in purê tone hearing thresholds in a longitudinal study of normal human aging. J Acoust Soc AM. 1990; 88:813-20.

23. Abdel-Hamed O, Khatib OM, Aly A, Morad M, Kamel S. Prevalence and patterns of hearing impairment in Egypt: a national household survey. East Mediterr Health J. 2007; 13:1170-80.

24. Ohashi MM. O perfil do cirurgião-dentista frete à ergonomia e a análise do seu ambiente de trabalho no município de São Paulo [dissertação mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2002.

25. Lehto TU. Dentist’s hearing and exposure to high speed turbine dental drill noise. Proc Finn Dent Soc. 1990;86:115-25.

26. Word Health Organization (WHO). Guidelines for community noise. In: Berlung B, Lindvall T, Schawelw D, Goh KT, editors, World Health Organization, Geneva, Switzerland, Institute of Environmental Epidemiology, WHO Collaborating Center for Environmental Epidemiology, Ministry of the Environment: Singapore; 2000.
588018937f8c9d0a098b4cec rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections