Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/588017b27f8c9d0a098b4863
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Percepção de pais e responsáveis sobre promoção de saúde bucal

Health promotion perception from parents and caretakers

Massoni, A.C.L.T.; Forte, F.D.S.; Sampaio, F.C.

Downloads: 8
Views: 913

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar a percepção de pais e responsáveis de crianças atendidas na Clínica de Odontologia Preventiva do Departamento de Clínica e Odontologia Social do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Paraíba sobre promoção de saúde bucal. A amostra foi composta por 78 indivíduos de ambos os gêneros, entrevistados com o auxílio de um formulário específico para a coleta após atividade educativa. Os dados foram examinados considerando-se questões objetivas, analisadas pela estatística descritiva, e questões subjetivas, nas quais se aplicou a análise de conteúdo. Os resultados sugerem que 100% dos participantes do estudo consideraram importante a manutenção da saúde bucal, estando todos receptivos a receber informações quanto aos seus cuidados. Esses indivíduos citaram frequentemente o controle mecânico do biofilme, através dos instrumentos de higienização (escova e fio dental) e a da própria atividade de escovação, ao contrário dos cuidados com a dieta, o que reflete a forte influência de hábitos sócio-culturais e das rotinas cotidianas. Pôde-se concluir que a população estudada ainda percebe a Odontologia como uma prática mutiladora e distante das ações de promoção de saúde, reflexo das condições de saúde bucal identificadas e das atividades de orientação inadequadamente recebidas. Também se verificou que os aspectos mais percebidos pelos pais após a atividade educativa são representativos de práticas cotidianas e evidenciam a necessidade de se desenvolver programas educativos voltados para situações menos freqüentes, mas também determinantes do processo saúde-doença.

Palavras-chave

Educação em saúde, saúde bucal, promoção de saúde bucal

Abstract

The aim of this study was to verify the assimilation of oral health information by the parents and caretakers of children assisted at the Clinic of Preventive Odontology of the Department of Clinic and Social Odontology, Center of Health Sciences of Federal University of Paraíba. The sample was composed for 78 individuals of both genders, interviewed with the aid of a specific form, after the educational activity. Concerning the analysis of the data, objective questions were considered, analyzed by descriptive statistics and subjective questions in which content analysis was applied. The results suggest that 100% of the participants in the interviews consider the maintenance of the oral health important. They are also motivated to receive further information about its care. Another predominantly cited aspect was the mechanical control of biofilm, through the figure of the hygienic cleaning instruments (brush and dental floss), as well as of the brushing techniques, while care with the diet has not been mentioned, which revels the strong influence of the sociocultural habits and everyday lifestyle practices. We have concluded from the verified population that dentistry is still seen as a mutilating activity, distant from actions related to health promotion; this follows from the identified oral health condition and inadequate educational practices. Moreover, we observed that the aspects perceived by parents after the instructive event are representative for daily practices, demonstrating the need for education programs directed to less frequent situations, promoting better general health standards.

Keywords

Health education, oral health, oral health promotion

References



1. Almeida OP, Pizzigatti CME. Infecçöes bucais e doenças sistêmicas. Rev Bras Med. 2003; 4(60): 175-6.

2. Aquilante AG, Bastos JRM, Sales Peres SHC, Leal RB, Higa AM. Análise do nível de educação odontológica dos pais/responsáveis de escolares da 3ª. série do 1º. grau e sua relação na motivação e educação odontológica de seus filhos. Rev Odontol UNICID. 2002(4): 25-34.

3. Bijella MFTB, Figueiredo MC. Avaliação de um programa odontológico com bases educativa, preventiva e curativa, desenvolvido em pré-escolares durante 12 meses. CECADE News. 1995; 3(2): 1-5.

4. Bijella MFTB. A importância da educação em saúde bucal nos programas preventivos para crianças. JBP: J Bras Odontoped Odont Bebês. 1999; 2: 127-31.

5. Brasil. Conferencia Nacional de Saúde On Line, 10., 1996, Brasília. Anais [citado em 2005 Mar 1]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cns/temas/aducacaosaude. htm

6. Costa MCO, Souza RP. Avaliação e cuidados primários da criança e o adolescente. São Paulo: Artmed; 1998.

7. Couto GBL, Scavuzzi AIF, Valença MC, Lima MCM, Vasconcelos MMVB, Melo MMD. Avaliação do programa de atenção odontológica precoce/UFPE. Rev Fac Odontol Univ Fed Pernambuco. 1998; 8(2): 87-95.

8. Guedes Pinto, AC. Pires MSN. Manejo da criança no consultório. In: Guedes Pinto, AC. Odontopediatria. São Paulo: Ed. Santos; 2003. p.163-9.

9. Gonçalves RMG, Silva RHH. Experiência de um programa educativo-preventivo instituído na fundação catarinense de bem-estar do menor. RGO. 1992; 40: 97-100.

10. Hilgert EC, Abegg C, Pretto SM. Análise das abordagens de educação em saúde em programas de saúde bucal. Ação Coletiva. 1992: 2(2): 10-4.

11. Inoul MS, Punhagui MF. Interesse dos pais ou responsáveis em receber informações adicionais na sala de espera C.O.U.N.P./Clínica de Odontopediatria/UEL. Semina. 1998; 19: 51-5.

12. Martins EM. Educação em saúde bucal: os desafios de uma prática. Caderno de Odontologia. 1998; 1(2): 30- 40.

13. Pauletto ARC, Pereira MLT, Cyrino EG. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciência e Saúde Coletiva. 2004; 9(1): 121- 30.

14. Pereira AP. Avaliação do Programa de Educação em Saúde Bucal da Faculdade de Odontologia de Araçatuba [Dissertação de Mestrado]. Araçatuba: Faculdade de Odontologia da UNESP; 2002.

15. Pinto VG. Programação em saúde bucal. In: Pinto VG. Saúde bucal coletiva. 4ª ed. São Paulo: Ed.Santos; 2000. p.99-138.

16. Rosa AGF, Matildes MLR, Narvai PC. Programa de reorientação do atendimento odontológico escolar com ênfase na prevenção. RGO. 1992; 40: 110-4.

17. Sawasaki I, Nakama L. Educação para a saúde bucal: trabalho em equipe e aspectos psicossomais. Semina, 1997; 18: 15-24.

18. Toassi RFC, Petry PC. Motivação no controle do biofilme dental e sangramento gengival em escolares. Rev Saúde Pública. 2002; 36: 634-7.

19. Todescan JH, Sima FT. Campanhas de prevenção e orientação para com a higiene bucal – prevenção: usos e costumes, higiene bucal I. Parte I. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1991; 45: 537-9.

20. Todescan JH, Todescan CG. Cooperação consciente. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1989; 43: 125-7.

21. Vala J. A análise do conteúdo. In: Silva A, Pinto JM. Metodologia das ciências socias. Porto Alegre: Afrontamento; 1986. p.101-28.

22. Vasconcelos A, Vasconcelos GAN. Cidadania, exclusão e saúde bucal. Ação Coletiva. 1999; 2: 29-32.

23. Weyne SC. A construção do paradigma de promoção de saúde: um desafio para as novas gerações. In: Kriger L. Promoção de saúde bucal. São Paulo: Artes Médicas; 1997. p. 1-26.
588017b27f8c9d0a098b4863 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections