Revista de Odontologia da UNESP
https://revodontolunesp.com.br/article/588017aa7f8c9d0a098b4840
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Análise das Formas de Esterilização e do Meio de Controle Empregados Pelos Cirurgiões-Dentistas de São José dos Campos - SP

Analysis of the sterilization forms and means of control used by the surgeon-dentists from São José dos Campos - SP

Naressi, S.C.M.; Akama, C.M.; Silva, L.M.P.; Siviero, M.

Downloads: 4
Views: 750

Resumo

O controle da infecção na área da saúde é uma necessidade primordial na rotina de trabalho, pois doenças infecciosas podem ser transmitidas para pacientes e profissionais no exercício da profissão. Uma das ações para proporcionar a segurança deles é o processo de esterilização. Para o controle ou monitoramento do processo, por estufa ou autoclave, podem ser utilizados marcadores físicos, químicos ou biológicos. Esta pesquisa avaliou, por meio de questionários, os conhecimentos do cirurgião-dentista sobre a esterilização do instrumental clínico. Para tal, questionários foram distribuídos para profissionais de diversas especialidades na cidade de São José dos Campos - SP. Os resultados demonstram que há falhas no conhecimento dos profissionais da área quanto ao processo de esterilização do material clínico, o que vem alertar para a necessidade de uma maior conscientização dos cirurgiões-dentistas.

Palavras-chave

Esterilização, indicadores de esterilização, estufa, autoclave.

Abstract

Infection control is a primary concern related to the health care field, given that infectious diseases can be transmitted to patients and professionals under clinical procedures. One of the measures to be taken, in order to provide their safety, is the sterilization process. When watching and controlling this process, carried out by autoclave or stove, there’s the option to use physical, chemical or biological indicators. This survey evaluated, through a questionnaire, the dentist acquaintance level related to the clinical instruments sterilization routine. To accomplish it, São José dos Campos’s specialists in different areas contributed by answering the survey. The results showed lack of knowledge related to the subject, likewise, the need of more awareness among those professionals.

Keywords

Sterilization, sterilization indicators, stove, autoclave

References



1. Banco de perguntas: esterilização e desinfecção. [SL.]: Pimentel & associados, 2003 [citado em 2003 Mar 20]. Disponível em: http://www.pimentelassociados.com. br/PP_Esteri.htm#AUT.

2. Couto JL, Couto RS, Giorgi SM. Controle de contaminação nos consultórios odontológicos. RGO. 1994; 42: 347-55.

3. Fantinato V, Almeida NQ, Schimizu MT, Jorge AOC, Unterkircher CS. Manual de esterilização e desinfecção em odontologia. São Paulo: Ed. Santos; 1994.

4. Fantinato V, Schimizu MT, Almeida NQ, Jorge AOC. Esterilização e desinfecção em odontologia: AIDS e Hepatite B. Rev Bras Odontol. 1992; 49(5): 31-6.

5. Ferreira RA. Barrando o invisível. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1995; 49: 417-27.

6. Gonzaga HFS, Sabatini LSG, Gonzaga LHS, Spiri WC, Moraes AM, Gabrielli MFR. Esterilização e anti-sepsia em odontologia. Odontol Mod. 1994; 21(3): 26-30.

7. Konkewicz LR. Controle de infecção em odontologia [citado em 2003 Mar 20]. Disponível em: http://www. cih.com.br.

8. Magro-Filho O, Melo MS, Martin SC. Métodos de esterilização, desinfecção e paramentação utilizados pelo cirurgião-dentista e auxiliar no consultório odontológico. Levantamento entre profissionais. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1991; 45: 589-92.

9. Medeiros UV, Souza MIC, Bastos LF. Odontologia do trabalho: riscos ocupacionais do cirurgião-dentista. Rev Bras Odontol. 2003; 60: 277-80.

10. Romano JC, Quelhas MCF. Monitoramento dos métodos de esterilização [citado em 2003 Mar 20]. Disponível em: http://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/testes. html.

11. São Paulo (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. Centro de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre condições ideais de trabalho relacionadas ao controle de doenças transmissíveis em estabelecimentos de assistência odontológica. Portaria CVS-II, de 04 de julho de 1995. Diário Oficial do Estado de 5/7/1995.

12. São Paulo (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. Coordenação dos Institutos de Pesquisa. Centro de Vigilância Sanitária. Altera a Norma Técnica sobre a organização do Centro de Material e Noções de Esterilização. Resolução SS-374, de 16 de dezembro de 1995. Diário Oficial do Estado de 16/12/1995.

13. São Paulo (Estado). Secretaria de Estado de Saúde. Coordenação dos Institutos de Pesquisa. Centro de Vigilância Sanitária. Aprova a Norma Técnica que estabelece condições para instalação e funcionamento de estabelecimentos de assistência odontológica, e dá providências correlatas. Resolução SS-15, de 18 de janeiro de 1999. Diário Oficial do Estado de 20/1/1999.

14. Serra MC, Garcia PPNS, Henriques C, Matsuzaki R. Medidas de proteção utilizadas por cirurgiões dentistas para o controle da infecção cruzada no consultório odontológico. ROBRAC - Rev Odontol Brasil Central. 2000; 9(28): 36-9.

15. Sonis ST, Fazio RC, Fang L. Princípios e prática de medicina oral. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1995.

16. Teixeira M. Controle de infecção cruzada. In: Corrêa MSNP. Odontopediatria na primeira infância. São Paulo: Ed. Santos; 1998. p. 593-611.

17. Wood PR. Cross infection control in dentistry: a partial illustrated guide. Aylesbury: Wolfe; 1992.

18. Zardetto CGDC, Guaré RO, Ciamponi AL. Biossegurança: conhecimento do cirurgião-dentista sobre esterilização do instrumental clínico. RPG. 1999; 6: 238-44
588017aa7f8c9d0a098b4840 rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections