Revista de Odontologia da UNESP
ISSN 1807-2577 (Eletrônico)
Artigo Original

Marketing em Odontologia: a percepção do cliente em relação ao serviço odontológico de clínica privada

Marketing on dentistry: the perception of client about dental service of privative clinic

Garbin, A.J.I.; Garbin, C.A.S.; Tiano, A.V.P.; Carvalho, M.L.; Fagundes, A.C.G.

Resumo

O mercado de trabalho odontológico torna-se cada vez mais competitivo levando o cirurgião-dentista a lançar mão de ferramentas de marketing para atrair sua clientela, mas este esquece por vezes de procurar saber o que seu público alvo deseja. Este estudo teve por objetivo avaliar a percepção dos usuários de clínicas privadas em relação aos serviços odontológicos. Foi realizado de outubro a dezembro de 2006 em um município do interior de São Paulo e obteve aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa. Os usuários que participaram da pesquisa responderam 21 questões abertas e fechadas sobre utilização destes serviços, percepção no atendimento, princípios de biossegurança e organização do consultório. A maioria dos entrevistados (53,4%) considera que os aspectos relativos à humanização são os mais relevantes na hora do atendimento odontológico. Quanto à aparência do profissional e à biossegurança, foi considerado muito importante o uso de luvas (78,6%), máscara (72,8%), gorro (54,4%), óculos (45,6%), roupa branca (40,8%) e jaleco (38,8%). Na organização, o descumprimento de horário foi o aspecto relatado pela maioria (19,4%) como sendo o que mais desagrada quando procuram um atendimento odontológico. Conclui-se que, na percepção dos usuários, os aspectos mais valorizados no atendimento são a relação profissional/ paciente, o cumprimento do horário agendado e o uso de equipamentos de proteção individual. Isso nos leva a uma reflexão em relação ao comportamento do cirurgião-dentista frente ao paciente, sendo que pode ser aprimorado desde a formação acadêmica.

Palavras-chave

Ferramentas de marketing, marketing em odontologia, clínica privada

Abstract

The market of dental work becomes much more competitive suggesting at Dental Surgeon to use marketing tools to attract his clientele, but this professional forget sometimes to know what his target public wants. The aim of this study was to valuate the perception of users of privative clinics about dental services. It was realized on period from October at December 2006 in a city of São Paulo State interior and had consent on Research Ethic Committee. The users that participated of research answered 21 closed and opened questions about utilization of these services, perception on attendance, biossecurity principles and clinic organization. The majority of interviewed (53,4%) consider that the aspects about humanization are more relevant at the dental attendance time. About appearance professional and biossecurity the use of gloves (78,6%), masks (72,8%), cap (54,4%), glasses (45,6%), white clothes (40,8) and uniform (38,8%) was consider very important. On organization, not execute the work time was the aspect more related by majority (19,4%), being a factor that dislike most when a patient look for dental attendance. It can and conclude that on users perception the aspects more valorized on attendance are relation between professional and patient, and execution of marked time and the use of equipments of individual protection. This result suggests reflection about dental surgeon comportment in front of patient, and this comportment can be better during graduation.

Keywords

Marketing tools, marketing on dentistry, private clinic

Referências



1. Pinto VG. Recursos humanos. In.: Pinto VG. Saúde coletiva. 4ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 2000. p. 251-75.

2. CRUZ J S, Cota LOM, Paixão HH, Pordeus IA. A imagem do cirurgião-dentista: um estudo de representação social. Rev Odontol Univ São Paulo. 1997;11:307-13.

3. Belardinelli VH, Rangel AO. Odontologia sem máscaras. São Paulo: Liv. Ed. Santos; 1999.

4. Conselho Federal de Odontologia. Dados do CFO [citado 2007 Mar 24]. Disponível em: http://www.cfo.org.br/ index.htm

5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa populacional [citado 2007 Mar 24]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-

2003. Resultados Principais. Brasília; 2004.

7. Julien MPR, Santos Júnior JH, Ferreira FAC, Scanavini JR, Pereira Júnior W, Tsuji AMS. Instalação e administração do consultório odontológico II: administração do consultório ortodôntico, administração financeira e marketing. Rev Fac Odontol FZL. 1992;4:119-31.

8. Esperidião MA, Trad LAB. Avaliação de satisfação de usuários: considerações teórico-conceituais. Cad Saúde Pública. 2006;22:1267-76.

9. Ferreira FAC, Pereira Júnior W, Scanavini JR, Tsuji MAS, Julien MPR, Santos Júnior JH. Instalaçäo e administraçäo do consultório odontológico III: planejamento do consultório ortodôntico. Rev Odontol UNICID. 1993;5(1):55-70.

10. Silva AGI. Satisfação do usuário: desvendando as representações sociais sobre qualidade da assistência de enfermagem. Esc Anna Nery R Enferm. 2002;6:411-23.

11. Tsuji MAS, Ferreira FAC, Santos Júnior JH, Scanavini JR, Julien MPR, Pereira Júnior W. Instalação e administração do consultório odontológico. I: administraçäo eficaz do tempo. Rev Fac Odontol FZL. 1992;4:47-64.

12. Discacciati JAC, Neves AD, Pordeus IA. Aids e controle de infecção cruzada na prática odontológica: percepção e atitudes dos pacientes. Rev Odontol Univ São Paulo. 1999;13:75-82.

13. Resende J, Cantisano MH, Noronha Filho GA. Satisfação do usuário com os serviços de atendimento odontológico. Revista Regional de Araçatuba APCD. 1998/99;19/20:13-8.

14. Gouveia GC, Souza WV, Luna CF, Souza-Júnior PRB, Szwarcwald CL. Health care users’ satisfaction in Brazil,

2003. Cad Saúde Pública. 2005;21( Supl):S109-18.

15. Tiedmann CR, Linhars E, Silveira JLGC. Clínica integrada odontológica: perfil e expectativas dos usuários e alunos. Pesq Bras Odontopediatria Clín Integr. 2005;5:53-8.

16. Organização Mundial da Saúde. Levantamento epidemiológico básico de saúde bucal. Manual de instruções. 4ª ed. Genebra; 1997.

17. Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde [citado 2006 Dez]. Disponível em :http://www.conselho. saude.gov.br/resolucoes/1996/Reso196.doc

18. Minayo MCS. Abordagem antropológica para avaliação de políticas sociais. Rev Saúde Publ.1991;25:233-8.

19. Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

20. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde. Departamento de Gerenciamento de Investimentos. Guia do conselheiro: curso de capacitação de conselheiros estaduais e municipais de saúde/Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde, Departamento de Gerenciamento de Investimentos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

21. Garbin CAS, Moimaz SAS, Almeida MEL, Ferreira NF. A importância da biossegurança para o cirurgião-dentista. JBC: J Bras Clin Odontol Integrada. 2004;8(45): 216-21.

22. Garbin CAS, Garbin AJI, Saliba TA, Tanaka C, Parisoto GB. Avaliação da biossegurança nos consultórios particulares de Presidente Prudente-SP. Omnia Saúde. 2005;2(2):6-11.

23. Pinheiro JT, Aguiar CM, Santos VF. Estudo do comportamento do paciente frente à indumentária do cirurgiãodentista. Rev Bras Odontol. 2002;59(1):57-60.

24. Ribeiro AI. Marketing odontológico. 4ª ed. Curitiba: Editora Maio; 2001.

25. Russo FLP. Gestão em odontologia. São Paulo: Lovise; 2003.

26. Santos SR, Lacerda MCN. Fatores de satisfação e insatisfação entre os pacientes assistidos pelo SUS. Rev Bras Enferm. 1999;52(1):43-53.
588018467f8c9d0a098b4b4f rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections